CNBB adere à campanha #Devolve_Gilmar e pede julgamento do financiamento de campanha

gilmarSei que o brasileiro tem memoria curta, que as redes sociais são uma explosão de informações diárias e que ninguem tem obrigação de guardar nada na cabeça, mas sempre me incomodou as flagrantes incoerências da imprensa brasileira no afã de manter viva sua missão de erradicar o petismo da face da Terra.

Até ai tudo bem, afinal de contas todo partido, todo governante tem seus seguidores fanaticos e seus opositores extremistas, mas o leitor, enquanto destinatario final das mentiras tem a obrigação de notar quando está sendo feito de otário pelo jornal, pela revista, por William Bonner et caterva…

Antes de ser alçado à condição de Herói da República, o Ex-Ministro do STF Joaquim Barbosa chegou a ser acusado pela imprensa (e pela boiada acritica presente nas redes sociais) de sentar em cima do processo do mensalão com o objetivo de provocar a prescrição das penas e favorecer o PT, responsável por sua indicação, lembra disso?

Não?

http://oglobo.globo.com/…/ministro-joaquim-barbosa-conclui-…

E olha que as infundadas acusações não eram feitas de forma discreta: o ‘ex-menino pobre que hoje orgulha o Brasil” era acusado publicamente até por colegas do STF de tabelar com o Governo Federal:

“Barbosa reclamou da forma como Peluso referiu-se, veladamente, à demora da tramitação do processo. Ele citou o número de réus na ação e a força política e econômica deles. “Considero igualmente equivocada a insinuação de que a AP 470 esteja com a sua tramitação ‘atrasada’. (…) Estamos diante de uma ação de natureza penal de dimensões inéditas na História desta Corte”

E o que isto tem a ver com a adesão da CNBB à campanha‪#‎Devolve_Gilmar‬ para que o lider do PSDB no Supremo Tribunal Federal Ministro Gilmar Mendes devolva o processo e aceite a derrota do fim do financiamento privado nas campanhas eleitorais?

É que naquela época do mensalão uma pressão absurda (via fluxo midia > sociedade > redes sociais > repercussão na midia) praticamente obrigou o então Presidente do STF Carlos Ayres Brito a oficiar o agente duplo Joaquim Barbosa, definindo uma data-limite para apresentação do seu relatorio final.

A pressa se fazia se necessária para que o show da midia produzisse efeitos nas eleições de 2012. Não deu certo, mas garantiu a Carlos Ayres Brito o direito de prefaciar o livro de Merval Pereira.

E porque Lewandowski não faz o mesmo com Gilmar Mendes, intimando o nobre magistrado a sair de cima dos autos?

Porque a imprensa não cai no pé do Ministro tea-party da mesma forma como perseguia, constrangia e emparedava Joaquim Barbosa pré-mensalão?

http://veja.abril.com.br/…/ou-joaquim-barbosa-volta-ao-tra…/

Simples de responder: o financiamento privado, por dentro e por fora, é a unica alternativa eleitoral que a oposição tem para bater o petismo nas urnas, dai a necessidade pessoal que Gilmar Mendes tem de evitar a extinção do instrumento.

Dai a importância para que a missão da midia não seja em vão outra vez.

Se não dá nas urnas, que se use mais uma vez o Judiciário.

Do STF Noticias

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, recebeu nesta quarta-feira (25), petição da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) requerendo a retomada do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4650, que trata do financiamento privado de campanha eleitoral, suspenso desde 2 de abril de 2014. O presidente despachou imediatamente, encaminhando o pedido aos ministros Luiz Fux, relator da ação, e Gilmar Mendes, autor do pedido de vista que suspendeu o julgamento.

http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp…

Compartilhe nossa pagina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *